orkut Archive

192capa

:: Abradi lança código de conduta para ações com influenciadores!
:: Essa campanha é para todos nós que dirigimos e digitamos
:: Facebook adere ao formato paywall. E vai passar a bloquear a edição dos links! Ah, também lançou um feed novo: o feed de exploração.
:: O Orkut está de volta #SQN
:: LinkedIn na era dos vídeos!
:: Whatsapp integrado com Youtube
:: Snapchat lança o Snap publisher, uma plataforma pra criar anúncios em vídeos (na vertical!). E também liberou a gravação contínua (mas separadas em snaps)
:: Google transforma sua pesquisa em um feed
:: Google Glass funciona, pelo menos na indústria.

Seja nosso patrão

Gosta do nosso trabalho e quer contribuir? Acesse www.padrim.com.br/smc e contribua com R$ 1,00 ou R$ 5,00.

Assine o SocialMediaCast.

Instale em seu smartphone um aplicativo de podcasts. Vá em buscar podcasts ou clique no na opção +. Digite socialmediacast e adicione. Caso sua busca retorne vazia, procure a opção de adicionar manualmente e digite nosso feed: http://socialmediacast.com.br/feed/podcast/. Pronto, agora você será notificado toda vez que um novo episódio for publicado.

Cada macaco no seu galho!
No Facebook | No Google + | No Twitter | Na Comunidade | Na iTunes | no Feedburner  | no Deezer
E se você quiser receber nosso podcast no Messenger, clique aqui 

Play
capaepisodio

:: Tinder escolhe sozinho sua melhor foto
:: Facebook mantém lógica e separa serviço criando mais um app - Events
:: Seu comportamento nas redes sociais mudou ou continua o mesmo dos tempos de Orkut?
:: Vendas pela internet devem dobrar até 2021!
:: Não brinca não, o Twitter tem um poder gigante
:: Fim das mentiras na internet? Google anuncia nova ferramenta!
:: Facebook arrumando assunto pra você
:: Snapchat prepara IPO
:: Snapchat bate Facebook e instagram entre os mais jovens!

Assine o SocialMediaCast.
Instale em seu smartphone um aplicativo de podcasts. Vá em buscar podcasts ou clique no na opção +. Digite socialmediacast e adicione. Caso sua busca retorne vazia, procure a opção de adicionar manualmente e digite nosso feed: http://socialmediacast.com.br/feed/podcast/. Pronto, agora você será notificado toda vez que um novo episódio for publicado.

Cada macaco no seu galho!
No Facebook | No Google + | No Twitter | Na Comunidade | Na iTunes | no Feedburner  | no Deezer

 

 

Play
20131008-002704.jpg

Hello monkeys! Eis que estou de volta aqui no Galho dos Zéstagiários e olha que bacana: em plena Semana da Criança. Daí vocês devem estar se perguntando, tipo, “e daí?” Bem, me deixa explicar. É que além de me considerar uma eterna criança (todos deveriam preservar sua criança interior), sou alguém bem preocupada com o futuro e bem estar dos baixinhos (Pera! Não quero ser a Xuxa tá?! RsRsRs!).

filhote-de-macacoPor isso, resolvi destacar em meu post do mês de outubro aqui no SMC os perigos da internet para nossos pequenos grandes rapazes e moças, que estão cada vez mais conectados. E aí, que tal?! Curtiu a ideia? Vamos pensar um pouco sobre isso?!

Segundo um estudo realizado pela empresa de segurança Trend Micro, intitulado “Internet Safety for Kids & Families” (Segurança de Internet para Crianças e Famílias), aponta que as crianças brasileiras são as que acessam mais cedo às redes sociais: Enquanto a média mundial é 12 anos, em terras tupiniquins a média cai para 9 anos. O dado chama atenção também, porque está abaixo, por exemplo, da idade mínima exigida pelo Facebook para ingressar na rede do ‘Tio Mark’, que é de 13 anos.

A mesma pesquisa (que avaliou outros países como índia, Austrália, França e EUA, em 2011), afirma ainda que no Brasil 6 a cada 10 pais permitem que seus filhos tenham perfis nos sites de relacionamento. Mas não é só isso: 9 em cada 10 destes pais afirmaram serem “amigos” dos filhos nesses sites, com o objetivo de monitorá-los.

Em linhas gerais, se o Brasil sai na frente de outros países pela quantidade de crianças na rede, ele aparece também como o país em que os pais verificam os perfis de seus filhos, chegando a mais de 50% (índice bem maior que em países como o Japão, onde a média não ultrapassa os 9%). É importante lembrar que a regra dos 13 anos, é adotada por outras redes além do Facebook e está em conformidade com o Ato de Proteção à Privacidade Online Infantil, criado em 1998, nos EUA.

Mesmo sendo uma lei americana, a mesma vigora nos termos de serviço do site e vale para todo o mundo, mesmo em lugares onde a legislação permita a criação de perfis para quem é mais novo. Em outros tempos (no meu tempo, entre 2004 e 2005), o Orkut oferecia limitações mais “severas” para quem desejava ingressar na rede: Para se cadastrar na rede social mais “bombástica” da época, você tinha que ter mais de 18 anos. Claro, havia quem burlasse, colocando, por exemplo, 10 anos a mais na data de nascimento (quem nunca fez isso que atire o primeiro mouse), mas havia, mesmo que na “teoria”, essa regra básica.

A facilidade que meninos e meninas encontram hoje de se conectarem as plataformas online, em relação há muitos de nós (quando da mesma idade) pode (e é em muitos casos) gigante. Quer um exemplo? Meu primeiro celular, só conquistei ao entrar para a faculdade, em 2009 (e aos 19 anos) e seus atributos mais vantajosos eram a câmera (apesar de estar concluindo publicidade, sempre procurei agir como jornalista, pronta para registrar os acontecimentos) e o fato dele ter alguns de seus recursos acionados pelo toque na tela.

download (1)O cenário hoje é outro. As crianças tem acesso fácil a smartphones, computadores e tablets e assim, navegam na internet sem se preocupar nem com a hora nem lugar. O que preocupa é o que elas estão procurando, o que estão vendo.

Quanto a isso, segundo dados levantados entre janeiro e maio deste ano, pela Kaspersky Lab (através de sua ferramenta de Controle dos Pais) e apresentados em junho, foram registrados mais de 52 milhões de tentativas de visitas a redes sociais (31,26%) e mais de 25 milhões de tentativas de acesso a sites pornográficos e eróticos (16,83%). Em terceiro lugar, entre os destinos mais buscados entre as crianças entre os sites bloqueados, estão as lojas online, com 16,65% das tentativas, seguidas por bate-papos e fóruns (8,09%), webmail (7,39%), software ilegal (3,77%) e jogos casuais (3,19%).

No Brasil os dados são bem parecidos com a média mundial: redes sociais (22,34%), sites pornográficos (18,91%) e lojas online (16,76%).

Fato é: Se elas (as crianças) estão no Facebook (e mesmo que em alguns momentos seja chato ver em nossa timeline como um verdadeiro playground) ou em outras redes sociais e sites, o que devemos pensar sobre isso? É algo positivo ou danoso? O que fazer diante dos riscos da vida online?

Bem, como tia (e um dia mãe), acredito que além dos riscos, também devemos avaliar os benefícios (que existem claro, afinal, tudo tem seu lado bom e seu lado nem tão bom assim) de deixar nossos bambinos adentrarem no universo digital, no entanto, impondo limites e orientações, para que eles possam ter uma vida saudável tanto no ambiente on quanto off.

Como fazer isso? Através do diálogo (base de muita coisa boa na vida), da conversa em família, em discussões no ambiente escolar. Se biblicamente fala-se que “ninguém ama aquilo que não conhece”, acho que ninguém teme sem conhecer os riscos, simples assim. Uma dica válida e que eu super recomendo, é assistir a filmes como “Confiar” e “Bullyng Virtual”, que tratam sobre os riscos da internet, como pedofilia e bullyng, e depois debater sobre o tema (a sugestão tanto vale para pais quanto para professores).

Apesar daquele dado lá do início (ou meio) do post, de que as crianças brasileiras são as que acessam mais cedo às redes sociais e de que sim, os pais monitoram de alguma forma esse acesso, de qualquer forma e para fins de conhecimento, abaixo estão algumas dicas de como verificar e monitorar possíveis perigos ao deixar as crianças na internet:

20131008-002704.jpg1 – Monitorar diariamente, fazendo parte da rede de amigos dos filhos (só não exagerar na dose e causar constrangimento público, afinal, seu filho ou filha pode estar na linha tênue entre a infância e adolescência e cá pra nós, seria pagar maior mico um comentário do tipo, “olha que lindo o bebê da mamãe”);

2 – Verificar se eles usam o perfil como público, caso aconteça, deixar as informações disponíveis apenas para amigos (endereço, telefone e etc, não rola deixar aberto para todo mundo);

3 – Desconfiou de perfis com frases e atitudes suspeitas ou com conteúdo pornográfico? Não tenha duvida, denuncie (e bloqueie claro);

5 – Incentive seu filho a buscar assuntos e interesses próprios de sua idade, como comunidades de jogos e etc (tomando cuidado com a classificação e conteúdo deles);

6 – E SEMPRE mantenha conversa com suas crianças, alertando sobre os riscos que a internet oferece, como aquela velha regra de: Não saia (fale) com estranhos.

É isso aí o que essa monkey nordestina aqui tem pra vocês hoje. Não esqueçam de deixar comentário com a sua opinião ou alguma experiência vivida por vocês (quando mais novos) nas redes sociais, afinal, é sempre bom compartilhar conhecimento e pontos de vista sobre assuntos que envolvem o mundo do social media. Até mais o/