Lulu Archive

Que tal arrumar um companheiro alugando seu quarto? É isso mesmo! aqui

Tubby – O Lulu para homens (Aqui)

Justiça Brasileira não garante anonimato no lulu (aqui)

Lulufake recebe aporte financeiro (Aqui)

O falecido Twitter ataca de novo. (Aqui)

Facebook lança opção de ler depois (aqui)

 Burger King testa a fidelidade dos fãs na página do Facebook e exclui falsos fãs 😮 (Aqui)

Google incorpora Waze no google maps (aqui)

 

Mandou bem

Ipiranga olaria “contrata” cachorro segurança aqui

Bloco Fogo e Paixão aproveita-se do Lulu (aqui)

Habib’s não perde a piada da semana – (aqui)

 

Mandou mal

Cacilds, Mussum na Secretaria da Fazenda de Alagoas (aqui)

Dica

Star wars no instagram (aqui)

Infográfico: Black Friday nas mídias sociais (aqui)

 

Trilha em BG: Monkey Sax by Monkeyman :: Licença de uso Creative Commons

Assine o SocialMediaCast.

Instale em seu smartphone um aplicativo de podcasts. Vá em buscar podcasts ou clique no na opção +. Digite socialmediacast e adicione. Caso sua busca retorne vazia, procure a opção de adicionar manualmente e digite nosso feed: https://socialmediacast.com.br/feed/podcast/. Pronto, agora você será notificado toda vez que um novo episódio for publicado.

Cada macaco no seu galho!

No Facebook | No Google + | No Twitter | Na Comunidade | Na iTunes | no Feedburner

 

Confesso que estou adorando a briga/#mimimi/altas confusões que os apps de avaliação estão causando. Acho mais do que saudável discutirmos o assunto. Mas neste texto vou, primeiro chover no molhado, depois apontar uma curiosidade, tentar apaziguar (como de costume) e por fim chover no molhado novamente.

Como adiantei, vamos para a chuva onde já se choveu.
Não se deve culpar o meio pelo seu mau uso. A Alaina escreveu (brilhantemente) e comentou que todos temos a capacidade de vencer a preguiça e que a culpa dos usuários não fazerem um bom uso de ferramentas não é da ferramenta (se você não leu, clica aqui)! Não adianta falar que o Lulu é fútil, que o Whatsapp é brega, que o Facebook só serve pra ficar sabendo da vida dos outros e que o Instagram tá cheio de gente metida. Vença sua preguiça e procure bons conteúdos. No balaio “bom” coloco o interessante e o prazeroso junto. Se você sente prazer em avaliar as pessoas, vá! Seja feliz, mas não reclame se fizerem o mesmo com você.

A curiosidade que apontarei é a respeito de um comentário que ouvi de um amigo gay. Antes, teço outro comentário a respeito de uma postagem na página “Feminismo sem demagogia” que pedia:

“Pessoas, por favor, ajudem a divulgar essa informação ao máximo de mulheres possível:
Em breve estará no ar o aplicativo misógino que pretende ser mais um lugar onde os homens possam nos julgar de acordo com nosso comportamento sexual (oh, que surpresa!).” A postagem está aqui.

As mulheres não estão fazendo isso no Lulu? Enfim.

O comentário de meu amigo gay que me referi anteriormente era algo parecido com: “Hoje em dia deve ser difícil ser homem hétero”. Na ocasião questionei e a resposta era a conclusão de que todos defendem suas classes menos o homem hétero o que o tornava uma minoria. Este deve tomar cuidado ao falar de mulher e de gay, mas gays e mulheres podem falar de si mesmo e de homens héteros. Não concordei totalmente com os dizeres, mas me fizeram refletir. Faz sentido! Curioso, não? Claro que isso é a colheita que se faz por anos de plantio de preconceito, mas não deixa de ser curioso.

Para apaziguar, basta um olhar diferente sobre o tema. O Lulu por exemplo, se ele fosse aberto aos homens, não para que estes pudessem avaliar ou editar, mas ao menos saber o que é falado ao seu respeito e caso não gostasse ter a opção de desativar, seria mais tranquilo. Explico.

sociedade-dos-poetas-mortos-foto-2

Criando um banco de dados sobre você mesmo, com avaliações positivas e negativas de pessoas que tiveram relação com você (seja sexual ou não) e entregando todas essas métricas de presente, o homem teria uma MEGA oportunidade. Poderia (mais uma vez parafraseando minha amiga Alaina) vencer a preguiça, trabalhar mais os aspectos positivos e tentar mudar nos aspectos negativos. Quem trabalha com social sabe a importância de relatórios e métricas bem traçadas. Isto define onde você vai investir, o que fez de certo e o que fez de errado.

Se o Lulu passar a ser visto como uma oportunidade masculina e não como um simples avaliador, ele deixaria de ser algo fútil e se tornaria uma app de utilidade pública. Nele poderíamos trabalhar a ideia de que as avaliações servem para alertar os homens, avisá-los tudo que fazem de certo e de errado.  Assim, damo a oportunidade de desativar a conta, ou tentar ser um homem melhor. E com homens melhores, melhor para as mulheres e para eles próprios e de novo melhor ainda para as mulheres e assim continuaria o ciclo vicioso do bem estar.

Mais uma vez… a culpa não é do aplicativo!

Não somos Pinguim nem americanas e também não estamos oferecendo nossos galhos pela metade do dobro do preço, mas o galho também congestionou essa semana e por isso demos uma atrasadinha. Mas tá aí nosso episódio 72!

Governo lança página oficial no Facebook (Aqui)

Google contrata garoto de 12 anos para criar “concorrente do FB”(aqui)

Baddo na frente do twitter e G+ no brasil (aqui)

Lulu na década de 80: gente fina elegante e sincera. Lulu em 2013… (+) Aumente seu ‘CR’ no Lulu e pague no PagSeguro (aqui)

Google Wallet “impresso” (Aqui)

Bradesco “olhando” lá na frente com Google Glass (Aqui) e (Aqui)

Foursquare lança novo formato de anúncio (aqui)

Administadores.com.br (versus) redes sociais. Cancelei meu whatsapp. (Aqui)